12 filmes nacionais com temática LGBT

Jornal Jr

Confira algumas sugestões de produções brasileiras que trazem a representatividade LGBT para dentro da tela do cinema

cinema LGBT
Créditos: Giovana Gomes/Getty Images

Quando se busca o panorama da representatividade LGBT no cinema nacional, é importante perceber que ela refletida na arte ainda apresenta limitações de abordagem, invisibilidades e estereótipos.

Porém, nos últimos anos, nota-se que isso vem mudando aos poucos, tanto em um contexto brasileiro quanto mundial: a responsabilidade e a preocupação de retratar e lidar com personagens e cenários de uma forma diversificada e real está crescendo. Para que continue evoluindo, é essencial que a discussão e a reflexão aconteça cada vez mais e existem diversos filmes brasileiros com conteúdo LGBT que valem a pena serem assistidos e que podem agregar bastante, conheça alguns deles a seguir:

Amores Urbanos

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Lançado o ano passado, em 2016, o primeiro filme da paulistana Vera Egito mostra a rotina de três amigos que dividem um apartamento em São Paulo e as diversas mudanças que cercam a vida de quem se encontra em uma cidade grande. Apresenta a vida de quem busca experiências e momentos além do comum e que também chocam-se com ideias conservadoras. Vera diz que é um filme-crônica, um retrato de um recorte específico da sociedade.

Doce Amianto

cinema LGBT
Fonte: reprodução

De 2013, filme do coletivo Alumbramento e radicado no Ceará, conta a história de Amianto – uma travesti, mas isso nunca é colocado realmente em discussão – que depois de decepções profundas, se perde em um mundo de fantasias e delírios e então tenta se reencontrar. É um filme com cores fortes e com aspectos melancólicos ao mesmo tempo, e é basicamente sobre a busca pelo afeto.

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Primeiro amor, homossexualidade e deficiência física. Três palavras que se complementam junto com a temática da adolescência e todas suas questões e dificuldades. O filme do diretor e roteirista Daniel Ribeiro, desde o ano de seu lançamento, em 2014, vem ganhando grande espaço no cenário do cinema brasileiro.

Flores Raras

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Filmes sobre a relação entre duas mulheres é ainda mais raro dentro do próprio cenário do cinema LGBT, e filmes que retratam esses casais de uma maneira mais aprofundada e sem estereótipos é ainda mais difícil de encontrar. O novo filme do diretor Bruno Barreto traz uma bela história de amor que conta como pano de fundo um contexto importante da história brasileira: o golpe militar de 1964 e suas implicações imediatas.

Para Sempre Teu Caio F.

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Caio Fernando Abreu, um dos mais importantes nomes da literatura brasileira, com dezenas de livros, contos, romances e peças de teatro, foi homenageado nesse documentário de Candé Salles, lançado em 2015, que conta com atores globais como Camila Pitanga e também grandes personalidades do mundo literário como Marcelo Rubens Paiva.

Mãe Só Há Uma

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Com a mesma diretora do filme “Que Horas Ela Volta?”, Anna Muylart, é uma comédia dramática sobre um rapaz que descobre que sua família não é a biológica e vai atrás de seus parentes verdadeiros, e essa nova vida também causa reviravoltas dentro de sua forma como se vê e sua identidade.

Praia do Futuro

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Wagner Moura é o protagonista desse filme lançado em 2014, que causou bastante polêmica na parcela conservadora da sociedade. Ele faz o personagem Donato, que trabalha como salva-vidas e um dia salva um alemão, acontecimento que muda por completo sua vida.

Teus Olhos Meus

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Gil com apenas 20 anos de idade e muitos sonhos relacionados à música e poesia, é órfão e vive com sua tia Leila e seu tio César. Porém, seu estilo de vida faz com que ele seja expulso de casa. Sem destino, ele vaga com seu violão, até que conhece Otávio, um produtor que pode mudar sua sorte.

Madame Satã

cinema LGBT
Fonte: reprodução

É o ano de 1932 e João Francisco, interpretado por Lázaro Ramos, estava na prisão no bairro da Lapa no Rio de Janeiro. Artista transformista que almeja se tornar um grande astro dos palcos, quando volta a ter liberdade, passa a viver com Laurita, prostituta e sua “esposa”; Firmina, a filha de Laurita; Tabu, seu cúmplice e com alguns outros personagens. É neste ambiente que João Francisco irá se transformar no mito Madame Satã.

Elvis e Madona

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Lançado em 2010, apresenta Elvis, que tem o sonho de ser fotógrafa, mas não consegue colocá-lo em prática, por ter que trabalhar para se sustentar. Sua história tromba com Madona, que é uma travesti que trabalha como cabeleireira, que sempre quis ter show de teatro de revista.

Beira-mar

cinema LGBT
Fonte: reprodução

Buscando ter um enredo leve e sem rótulos, Beira-Mar estreou o ano passado e ganhou ganhou o troféu de melhor filme da mostra Novos Rumos do Festival do Rio. Aborda a juventude e o amadurecimento, com os adolescentes Martin e Tomaz, que passam por um período de descobertas sexuais.

Tatuagem

cinema LGBT
Fonte: reprodução

De 2013, possui uma narrativa natural e sem limitações, sobre um grupo de artistas de 1978, que provocam os costumes empregados pela ditadura militar. A história acontece no Nordeste do Brasil e além da questão de encontro de mundos e homossexualidade, o filme também fala sobre resistência política.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *