Hey, ho, let’s go! – Semana do Rock

Jornal Jr

Dia 13 de julho comemora-se o Dia Mundial do Rock, um dos gêneros musicais mais influentes de todos os tempos

 Por Camila Nishimoto

Jimi Hendrix no festival de Woodstock, 1969. Créditos: Divulgação.
Jimi Hendrix no festival de Woodstock, 1969.
Créditos: Divulgação.

Encontrar hoje um único ser vivo que nunca tenha ouvido falar de Elvis Presley ou Beatles é bem mais difícil do que a achar a agulha há muito perdida no palheiro da vida. Mesmo que não se tenha um conhecimento profundo sobre essas personalidades, quase todos sabem quem são e o que representam.

Ainda que Elvis e os Beatles seja dois dos principais marcos na história do Rock ao longo dos anos, não foi com eles que tudo isso começou. Lá no interior dos Estados Unidos, escondido do preconceito dos olhos brancos, Chuck Berry já tocava os ritmos acelerados que tanto fariam a cabeça das pessoas no mundo inteiro apenas alguns anos depois.

O rock tem origens negras, que inicialmente foram, se não negadas, ao menos escondidas – como quando filmavam Elvis apenas da cintura para cima, para que a sua dança “de negro” não escandalizasse a boa dona de casa.

Mesmo que Presley tenha sido um vetor de um movimento musical que já estava acontecendo, a sua importância como marco disseminador é inegável. Tem-se no seu lançamento como artista e cantor um dos pontos iniciais do nascimento do rock.

Depois dele vieram os Beatles, cuja importância e influência é inigualável. Até hoje surgem bandas que se inspiram no estilo dos garotos de Liverpool no início de carreira – os ternos alinhados, os cabelos arrumados, as dancinhas características. Mas também ainda surgem aqueles que se inspiraram no espírito de rebeldia anti-bélico que eles representaram nos anos 60, com músicas extremamente políticas.

Muitos acreditavam que o rock seria apenas mais um estilo musical passageiro e que logo os jovens teriam outra coisa para substitui-lo. Ledo engano. Talvez muito do caráter de rebeldia que acabou identificando-se como característica do rock e o fato de existir essa liberdade de letras “politizadas” e protestantes tenham sido dos maiores combustíveis para que a chama das guitarras elétricas não se apagasse.

E essa eterna briga de “o rock dos anos oitenta é que era o bicho!”, “não, cara, os anos sessenta é que foram os anos do rock” é algo que também podemos considerar como alimento principal do gênero.

O saudosismo e a idealização de diferentes vertentes do gênero levam a essas discussões e elas servem para mostrar que o rock não foi algo passageiro, como alguns previram: diferentemente, se adaptou às novas demandas, ao novo público e aos novos cenários sociopolíticos.

Além dos Beatles e de Elvis, outras bandas e cantores não poderiam ficar de fora quando falamos em rock: Led Zeppelin, Black Sabbath, Pink Floyd, The Doors, Ramones (que nos concederam o título para essa matéria, com o clássico “Blitzkrieg Pop”), David Bowie, U2, The Kinks, Jimi Hendrix, Janis Joplin, The Rolling Stones e muitos outros, que fizeram do rock talvez o gênero mais rico e mais camaleão de que se tem conhecimento.

O dia do Rock

Que o rock é importante, todos sabem. Porém, porque comemoramos o dia do Rock em 13 de julho?

Tudo começou por causa de um cara chamado Bob Geldof, que muitos nem devem saber quem é. Ele cantava nos Boontown Rats e tinha espirito humanitário. Após ver uma reportagem sobre a crise que acontecia na Etiópia, se mobilizou e resolveu organizar uma arrecadação de fundos usando a música. Compôs uma canção com Midge Urie e o negócio todo estourou. Vários artistas britânicos se interessaram pela causa e se dispuseram a gravar a música.

Esse gesto, aparentemente isolado, acabou desencadeando uma das mais conhecidas músicas de união de que se tem conhecimento. Michael Jackson e outros artistas, interessados na campanha, se juntaram e gravaram a conhecida “We Are The World”.

E a partir daí mais e mais nomes famosos se juntaram à causa, até que a ideia de fazer dois shows no mesmo dia – um nos Estados Unidos e outro na Inglaterra – para angariar fundos para a caridade surgiu. Nomes como Madonna, Duran Duran, Phil Collins e Led Zeppelin participaram do show nos EUA. Já em Wembley, na Inglaterra, tivemos The Who, Elton John, Queen e U2.

Não por coincidência a data do shows era de 13 de julho de 1985. Nada mais justo do que dar a essa data, que é aniversário de dois eventos épicos, o título de Dia Mundial do Rock, certo?

Mas é sempre bom nunca esquecer que todo o dia é dia de rock, bebê!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *